11/02/2020

10 tipos de isca naturais e estranhas que você nunca pensou em usar na pescaria

10 tipos de isca naturais e estranhas que você nunca pensou em usar na pescaria

Pescaria é um esporte de imaginação – desde alguns casos de equipamentos customizados ou mesmo improvisados, algumas vezes é preciso desafiar algumas regras para gerar os resultados que precisa.

Funciona exatamente da mesma forma quando falamos de iscas para a sua pescaria, por isso preparamos esta lista de 10 itens que você provavelmente nunca pensou em usar como isca para pescaria.

#1 – Banana

Como a maioria dos peixes é onívoro e se alimenta de frutas no ambiente natural, a banana que era o seu lanche pode acabar virando isca na hora da pescaria.

Funciona muito bem para peixes como tambacu, pacu, Matrinchã.

É uma isca que boia quando está com casca e sem a casca ela afunda, e pode ser usada das duas formas.

Corte uma rodela de banana de mais ou menos 2 centímetros, atravesse o anzol no comprimento, saindo do outro lado, gire para travar, então coloque alguns pedaços de macarrão atravessando a parte interna do anzol já dentro da banana, isso dará mais firmeza para a isca.

#2 – Goiaba

Isca bastante produtiva que segue na mesma linha da banana, inclusive para os mesmo peixes.

A forma de iscar a goiaba é usando um quarto da fruta, ou metade disso, no mesmo sistema da banana – atravessa, sai do outro lado, gira e prende com a ponta do anzol.

#3 – Canudo de doce de leite

Um docinho para adoçar a vida... dos peixes?! Exatamente, aquele tradicional canudo de doce de leite pode te render uma boa pescaria.

Cortando uma rodela do doce, atravesse o anzol delicadamente pelo miolo do canudo e prenda na parede da casquinha, e pronto, tamba na linha.

#4 – Pão de queijo

Não tem nada a ver com peixe mineiro, mas o pão de queijo acaba sendo uma boa opção na hora da pescaria.

À depender do tamanho do pão de queijo, você pode usar um pão inteiro ou metade, e a forma de iscar é parecida com os demais, atravessando a isca com o anzol, e chegando ao outro lado, gire o anzol para travar a isca na casquinha.

Se possível pode ser arremessado sozinho e sem chumbada, mas se for o caso pode ser arremessado junto de uma boia torpedo quando o objetivo é um pouco mais de distância.

#5 – Goiabada

Mais uma isca da família dos doces, a goiabada também se mostra uma isca versátil para os peixes grandes comuns em pesqueiros.

O melhor doce (para iscar) são as goiabadas do tipo cascão, que são mais duras e vão suportar melhor o contato com a água.

#6 – Salsicha Flutuante

Uma alternativa interessante para isca flutuante pode ser o uso da salsicha, é uma ótima para Tamba, dourado, cachara e pintado.

Pegue um pedaço da salsicha, mais ou menos um quarto dela, faça a tradicional iscagem da salsicha, depois pegue um canudo largo e faça um furo no meio da salsicha, e retirando o miolo, deve-se pegar um pedaço de isopor, de uma bandejinha de mercado mesmo, e coloca no furinho da salsicha, depois recortando o excesso de isopor.

#7 – lesma

A praga do seu jardim pode ser a salvação da pescaria, a lesma acaba sendo uma boa isca para lidar com peixes de médio e grande porte que apreciem minhocuçu, carne ou crustáceos.

A iscagem deve ser feira com a lesma um pouco mais esticada – a tendência dela é de se enrolar, então estique em uma superfície, entre com o anzol, saindo do outro lado, e depois entrando denovo no corpo da lesma, e para maior atratividade, podem ser feitos pequenos picotes na lesma, com faca ou tesoura, para liberar mais do elemento viscoso dela.

Um pouco nojento, mas bastante eficiente.

#8 – Ovo Cozido

Uma isca sensacional para a pesca da pirarara e outros peixes de couro, também tem a iscagem tradicional de atravessar e depois travar o anzol do outro lado. Também pode ser usado o truque do macarrão para dar maior firmeza, mas um pulo do gato está em jogar o ovo lentamente na beirada do lago, onde este tipo de peixe normalmente se alimenta.

#9 – Fígado ou coração de boi

Duas ótimas opções para quem quer pescar peixes com apetite para carnes, como por exemplo a traíra, o trairão e a curimba, ou até mesmo em alguns casos a tilápia pode comprar a ideia.

Uma das possibilidades de preparo desta isca está em cortar em pedaços e passar no fubá, gerando um efeito de milanesa, que facilita a iscagem no momento da pesca.

#10 – Ração na pinga

A intenção não é embebedar o peixe, mas esta é uma isca que funciona com boa parte dos peixes de lagos e riachos, como a tilápia, lambari, mandi e tabarana.

Basta deixar a ração de cachorro ou de peixe fechada em uma garrafa com uma dose de pinga por 24 horas, antes da pescaria, a pinga deixará a ração maleável, mas não deixa esfarelar.

Vamos lembrar como sempre que a pescaria é um momento de diversão, então deixe a sua ousadia falar mais alto na hora de escolher suas iscas naturais e boa pescaria!